quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Extensão de um corpo.


Buscamos, corremos, crescemos, melhoramos tudo em prol da perfeição, pra estarmos prontos, pra estarmos aptos, pra estarmos conclusos.
Você cresce e observa seu corpo, o menino engrossa a voz, a menina delicadamente ganha novas formas..., vai se embora à molecagem, passa a adolescência, chega à juventude e colada nela, à fase adulta, e ai?
Ai pronto?
Que pronto que nada, um pedacinho de você, sai de você, e sai assim mesmo, andando e logo falando, e logo também, uns chamam isso de filho.
Mas na verdade é apenas uma extensão do seu corpo que precisava sair, pois não tinha mais espaço ai dentro.
Um pedaço de você, que não se contentava em ficar ali, mas que queria vida própria.
Queria ter hábitos, mesmo que fossem os teus hábitos, mas queria que fossem deles.
Queria agora escolher as cores, queria opinar sobre um sabor de sorvete.
Queria calçar os teus sapatos, entrar em tuas roupas, ter os teus cabelos.
Um pedaço de você, que ainda não sabe ler, que precisa novamente aprender a atravessar uma rua, mesmo uma rua calma, mas era com pressa e de mão dada.
Um pedaço de você, que soletra uma placa e fica contente e te faz contente.
Pois é você tendo a oportunidade de aprender novamente.
De acreditar, que dessa vez, pode sim, ser bailarina, medico ou jogador de futebol.
Então você começa a se transferir, vai ao shoping e não olha mais só um sapato 36, 37, mas também os, 18, 19.
Começa a se interessar por historias em quadrinhos, acha que a Xuxa não é tão chata assim, que o castelo Ratimbum é interessante, e mão suja na parede agora pode.
Começa a escolher shampoo do Mickei ,do Pateta , da Barbie.
Constrói um quarto novo, só que agora azul ou rosa, e se não bastasse, enche o teto de lua e estrelas que brilham.
Depois se surpreende, com tabuadas decoradas, com um caderno surrado, mais cheios de “Muito bom”, “ Ótimo”, “Continue assim”,e porque não um “ Precisa caprichar mais”...
Vai a reunião de pais, mas na verdade pensa que a reunião é pra você.
Preocupa-se agora com o peso da mochila, coisa que nunca tinha reparado antes.
Até começa a pensar... Antes de acender outro cigarro. Tira um pouco o pé do acelerador, (nas curvas)...
Der repente, compra outra camisa do seu time, mas agora tamanho, 2, 4, 6, 8...
Faz amigos na madrugada, mas agora é o tiozinho balconista da farmácia e a menina do caixa quase sempre morrendo de sono.
Fica craque em fazer mamadeira ainda com os olhos fechados.
Já consegue assistir televisão sem som, aprende a língua dos sinais.
Volta ao dentista, ao posto de saúde.
Enche as gavetas com roupas de lã em pleno calor de 40 graus.
Apaixona-se por gelatina colorida.
E de repente eles já não cabem mais no sofá de um lugar.
Quer sentar na frente no carro, escolher a musica e se você deixar escolhe o destino.
Mas são apenas os teus traços em tamanho menor.
Mas vamos deixar que eles pensem que são eles.

3 comentários:

  1. Nossa que lindo esse Anderson..bem real isso tudo. Pois eu me realizei mesmo em muitas coisa através dos meus filhos. Poxa até chorei lendo.obg.

    ResponderExcluir
  2. Nossa que lindo esse Anderson..bem real isso tudo. Pois eu me realizei mesmo em muitas coisa através dos meus filhos. Poxa até chorei lendo.obg.

    ResponderExcluir